Meus poemas existencialistas preferidos

18.11.26. Meus poemas existencialistas preferidos.png
Uma pessoa chamada Fernando, representado em óleo sobre a tela.

Criei este blog pensando em escrever mais do que já escrevia e em dar alguma utilidade a meus textos; espero que meus leitores se divirtam ou se instruam. Assim, decidi pôr estes poemas aqui porque eles me divertem e me instruem, e porque acho que lê-los de vez em quando pode nos ajudar a viver melhor.

Os votos

Este poema é largamente mal atribuído ao poeta francês romântico Victor Hugo, mas seu verdadeiro autor é o brasileiro gaúcho Sérgio Jockymann. Seus versos flagrantemente foram inspiração para a canção Amor pra recomeçar, de Frejat, canção que tem uma letra linda, refletindo a beleza do poema de Jockymann, mais lindo ainda.

Verdade seja dita, eu ainda não tenho certeza sobre a natureza de Os votos. Apesar de parecer um poema de versos longos, também parece uma prosa de períodos curtos. A versão original, publicada no Folha da Tarde de Porto Alegre, em 1978, é organizada em parágrafos, mas há parágrafos que começam como se fossem versos. Confuso.

O título Os votos me lembra um padrinho fazendo seus desejos a um noivo jovem. É claro, acaba que os votos se tornam mais recomendações do que desejos, visto que, apesar de nosso futuro ser imprevisível e sujeito a todo tipo de intempérie, em última análise nossa reação a tudo que nos acontece está sob nosso controle. Mais importantes que as palavras insignificantes que desejam sorte ao vento são os conselhos sobre como tratar a vida e a sorte. Ainda que eles também não valham muita coisa.

Por isso, ele deseja que o destino seja gentil o bastante para que você tenha alguém para amar e para que essa pessoa lhe ame de volta. Mas, caso não aconteça, pois nem sempre acontece, ele recomenda que você aprenda a não guardar mágoa.

                Pois desejo primeiro que você ame e que amando, seja também amado.
                E que se não o for, seja breve em esquecer e esquecendo não guarde mágoa.
                Desejo depois que não seja só, mas que se for, saiba ser sem desesperar.

Uma das partes mais legais para mim é esta:

                Desejo ainda que você seja tolerante, não com que os que erram pouco, porque isso é fácil, mas com aqueles que erram muito e irremediavelmente.

Como o autor diz em seguida, não se trata de permissividade. Trata-se de um esforço consciente e deliberado no sentido de aceitar cada vez mais que as pessoas não são perfeitas. Não devemos ter compaixão apenas com as pessoas inofensivas, porque elas não existem. Não devemos limitar nossa compaixão.

A frase que abre a música de Frejat foi inspirada neste trecho, que também é um de meus favoritos:

                Desejo que você sendo jovem não amadureça depressa demais,
                e que sendo maduro não insista em rejuvenescer,
                e que sendo velho não se dedique a desesperar.
                Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e é preciso deixar que eles escorram dentro de nós.

Apesar de bastante jovem, eu já tenho saudades de várias coisas que não voltarão. O parquinho de areia branca e os coelhos que alimentávamos no SESI em 2000. O pátio antigo do São Paschoall, reformado em 2002, que tinha uma árvore bem no meio e uma escada que parecia gigante para a cantina. O prédio novo do São Paschoall, que foi minha segunda casa de 2002 a 2009. As olimpíadas de matemática em 2006. Meus amigos e professores naquela época que era tão mais folgada que hoje. A quadra onde joguei handebol pela primeira vez, lá em 2008, esporte que só retomei em 2015. As salas curtas e largas do COC em 2012, onde ouvi mais piadas do que em minha vida inteira. E por aí vai indo…

Hoje, estou no melhor momento da minha vida, que é resultado de tudo isso que eu passei. E é bom. Mas o parquinho de areia, as olimpíadas de matemática, o primeiro time de handebol e as piadas do ensino médio nunca voltarão. E, apesar do hoje ser uma delícia, ele não tem o gosto particular que essas coisas tinham.

Outrora eu pensava em carpe diem como uma máxima hedonista. E em alguma época ele me serviu bem assim. Mas hoje eu vejo carpe diem como uma máxima sobre isso: toda idade tem prazer e dor, e é preciso deixar que eles escorram dentro de nós. O tempo passa, para o bem e para o mal, e para o bem e para o mal ele nunca volta; por isso é importante notar a riqueza particular de cada momento.

                Desejo por sinal que você seja triste, não o ano todo, nem um mês e muito menos uma semana,
                mas um dia.

Aqui, um voto que comove pela sinceridade. A vida é assim, nem sempre estamos felizes; porém, quando você ficar triste, que seja por um dia, e não o ano inteiro. Aqui, não há recomendações; apenas desejos.

Em um tom mais materialista, o autor deseja que tenhamos dinheiro. Mais que isso, de forma bem poética, recomenda que sejamos mestres, e não servos, do nosso dinheiro:

                Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro porque é preciso ser prático. E que pelo menos uma vez por ano você ponha uma porção dele na sua frente e diga: Isto é meu.
                Só para que fique claro quem é o dono de quem.

Os votos, de Sérgio Jockymann, é um dos textos mais maravilhosos que conheço. Estes são apenas alguns trechos de sua genialidade. Vale a pena conferi-lo por inteiro.

Poema em linha reta

Poema em linha reta foi escrito por Álvaro de Campos, um pseudônimo de Fernando Pessoa. Trata-se de uma denúncia dos homens que ocultam seus pecados uns dos outros, pondo-se assim acima de seus semelhantes, mostrando-se artificialmente perfeitos. Porém, acima de tudo, trata-se de uma confissão dos piores momentos do eu lírico.

Quem anuncia aos quatro ventos seus fracassos? Bem, é até comum ouvir pessoas de sucesso contando sobre as dificuldades que passaram ao longo da vida. Mas contam como se fossem não verdadeiros fracassos, e sim degraus de uma escada rumo ao sucesso final.

Álvaro de Campos está farto de semideuses. Onde estão as pessoas humanas do mundo? Não quer saber de quem foi traído, enganado ou violento; que saber de quem foi covarde, infame, mesquinho, submisso e arrogante.

Quem confessa ter sido vil, literalmente vil, vil no sentido mesquinho e infame da vileza?

Afinal, em nosso ponto de vista, vis são os políticos em Brasília, os militares no Rio, os traficantes em São Paulo. Nós admitimos, sim, cometer erros, mas nossos erros não são errados como os deles. Estamos certos de que somos diferentes, de que nunca faríamos o que eles fazem.

Somos todos semideuses.

Poema de Natal

Interessante pensar que o Poetinha pensou em tudo que ele escreveu nesse poema no Natal, que é minha época preferida do ano. Em 1946, logo após o fim da Segunda Guerra, provavelmente uma época ainda impressionada pelo horror do que acabara de acontecer, mas com a esperança de anos mais pacíficos. No Rio de Janeiro, diante da beleza contrastante dos mares e morros dessa cidade.

É muito fácil para qualquer ser humano cair no niilismo quando se pensa por um tempo longo o bastante sobre a vida. Tá, vou trabalhar, talvez ficar rico, ser reconhecido, ter filhos, criá-los, envelhecer com saúde… Mas e depois? Morte, e o total apagamento de todos os triunfos e fracassos? De que serviu tudo isso?

Vinicius responde que para isso fomos feitos: para lembrar e ser lembrados, para chorar e fazer chorar, para enterrar os nossos mortos.

Não há nenhum futuro grandioso livre de aborrecimento e de dúvida, silencioso e branco como a bruma. A realidade continuará sendo carnalmente incompleta. Assim será a nossa vida: uma tarde que não vale a pena lembrar, uma estrela que brilha breve, já fenecendo nas trevas.

E não há muito que possa nos livrar desse massacrante peso da realidade, mortal e pouco glamorosa. Às vezes, o milagre de uma nova vida humana, o ardor de uma nova paixão ou mesmo a lembrança de que todos pereceremos em breve nos faz esquecer o desconforto que é viver, mas é só isso. Não há muito o que dizer: uma canção sobre um berço, um verso, talvez, de amor, uma prece por quem se vai…

Mas que esses momentos nos inspirem, e que deles nos lembremos cada vez mais e mais. Pois para isso fomos feitos: para a esperança no milagre, para a realização da poesia, para ver a face da morte.

Pois, se a vida é um caminho entre dois túmulos, da morte apenas nascemos. Imensamente.

Um comentário em “Meus poemas existencialistas preferidos

Adicione o seu

  1. Semana passada tive o prazer de participar de um evento promovido pelo museu do índio, aqui de Uberlândia, que trouxe o escritor indígena Daniel Munduruku. E durante os três dias de vivências pude aprender e rever muitas questões sobre a minha existência. Achei pertinente você falar sobre o gosto que suas lembranças possuem, que são singulares (acredito que de fato são e são para todos, cada um com as suas), e você disse também que está vivendo o melhor momento da sua vida (também fui ler o texto sugerido “Toda sua vida lhe trouxe até aqui”, amo as infinitas possibilidades dos links kkkk). Isso tudo para dizer que, durante esses três dias de vivências com o escritor, ele disse e nunca é simplesmente por dizer, que a palavra futuro não existe nas línguas indígenas, irei explicar, mas antes devo dizer que foi minha amiga Nathalia Muniz que me disse isso, neste dia não pude comparecer. Todavia, o que ela me disse ficou reverberando dentro de mim. Não existe a palavra futuro, porque eles nomeiam o que vivem, ou seja, o que existe. Como podem ter uma palavra para futuro se nunca viveram? Não estou afirmando que não devemos fazer planos, mas, o convite que esta fala do Daniel Munduruku me fez, foi o de reflexão sobre a minha visão de espaço e tempo. As pessoas lidam com o tempo e a saudade de modo distintos, podemos até tentar lineariza-lo, porém cada um sente as coisas em seu tempo. Seus textos me fizeram pensar sobre o meu sentir e o meu tempo. Penso que, uma pessoa que faz reflexões sobre si é uma pessoa que faz reflexão sobre o alheio. Sou o que sou, porque um dia eu fui, então de certa forma ainda sou, porque habito em mim e é em mim que essas vozes existem. De modo diferente, mas ainda são vozes que me guiam nas decisões. Tento não pensar em início e finais, o que temos é somente o presente. Agora que já li esses e mais alguns textos, penso que eles já me constituem, você será uma voz que habitará em mim. Continue escrevendo, obrigada!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑