Como passei em medicina na federal, III

Este texto é uma continuação de Como passei em medicina na federal.

 

Já falamos como é absolutamente fundamental que você utilize exercícios para estudar de forma mais eficiente. Agora vamos falar como exatamente você vai fazer isso. Este texto, ao contrário do anterior, é baseado majoritariamente em minha experiência pessoal.

Um banco de questões

Primeiro, você precisa ter acesso a um banco de questões. No ensino médio, meu colégio tinha material com várias questões sobre todos os assuntos e no terceiro colegial nos deram uma apostila com todos os exercícios da história do ENEM. Estudei por esse material.

Na faculdade de medicina, tive grandes dificuldades por não ter um banco de questões que eu pudesse usar. Felizmente, hoje em dia existe o medQ, que não só tem milhares de questões de provas de residência organizadas por tema, como também te dá a incidência de cada assunto nas provas, seu índice de acertos, e ainda faz uma agenda de revisão baseada nos assuntos mais importantes e sua performance em cada um.

Não sei se existe algum aplicativo assim para quem vai prestar ENEM e vestibulares. Se não tiver, é uma boa ideia para os empreendedores de plantão.

Na falta da solução tecnológica, recorra a material escrito. Os cursinho pré-vestibulares geralmente têm livros de questões separadas por assunto. Se você não faz cursinho ou não tem condições de comprar esse material, tente conseguir usado por um preço mais bacana ou de graça.

É muito importante ter esse banco de questões!

Você pode também buscar provas antigas na internet. Foi assim que eu fiz quando passei em medicina, enquanto cursava direito. Mas aí você não terá questões separadas por assunto, apenas por disciplinas. É uma solução legal se você já tem uma performance razoavelmente boa e precisa apenas de melhoras pontuais. Mas não é ideal se você é praticamente virgem em alguns assuntos.

Felizmente, a quantidade de temas dentro de cada disciplina nos vestibulares é bem menor do que nas provas de residência. Então mesmo se você não tiver material organizado por temas (logaritmo, números complexos, equações de terceiro grau) dá para estudar por disciplina (matemática, física, história).

Saiba seu nível

Você vai começar um assunto novo, a primeira coisa a fazer é resolver algumas questões. Não é resolver por resolver (vamos fazer isso depois), é resolver para analisar como os assuntos são cobrados (as perguntas costumam ser parecidas), quais são os pontos mais importantes dentro de cada tema e quais são as suas dificuldades.

Pegue 10-20 questões do assunto e tente resolver, mesmo se nunca tiver ouvido falar daquele assunto. Preste atenção nas suas dificuldades. Geralmente cada questão cobrará alguns conceitos-chave que você precisa saber para resolver a questão. Esse conceito pode ser algo como “a fórmula do volume da esfera” ou “qual era a base econômica do Brasil pré-colonial”. Tente identificar esses conceitos.

Virgem

Se você errar quase tudo ou acertar quase tudo chutando, considere-se virgem no tema e busque material teórico. Leia o tema, sublinhe (apesar de não ser efetivo), faça o resumo, assista à aula: estude como preferir. Outro dia vou falar um pouco sobre algumas técnicas para usarmos nessas situações.

Mas preste muita atenção: não perca muito tempo nisso! Não faça resumos minuciosos, não leia e releia o material, não tente entender cada detalhe. Não se concentre em detalhes! Você vai começar a se preocupar com eles quando estiver acertando quase todas as questões do tema. Por ora, concentre-se no básico. Esse conselho serve para tudo na sua vida.

Intermediário

Se você acerta as questões mais fáceis, mas patina nas médias e só acerta por sorte as difíceis, considere-se intermediário. Neste caso, você não precisa estudar toda a teoria. Concentre-se naqueles conceitos que você não sabe. Veja cada questão que errou e escreva por que você errou. “Aqui eu esqueci tal fórmula, aqui eu não sei o que é um nematelminto” etc.

Quando você ler “ah, então isto é um nematelminto”, você não terá aprendido nada. Leia os conceitos e volte para os exercícios. Você vai acertar algumas questões que não acertou antes, mas vai continuar errando algumas. É normal. Quando você se força a lembrar algo, mesmo se não conseguir, isso ajuda o aprendizado. Foi Dunlosky quem disse.

Tente lembrar e falhe. Volte ao material e lembre. Refaça o exercício e acerte.

Experiente

Se você acerta quase todas as questões e só erra as mais difíceis, considere-se experiente no assunto e vá estudar outra coisa (por ora). Você não precisa acertar 100% das questões. 80% é suficiente na maioria dos casos, para passar na maioria dos concursos. Mesmo se seu objetivo for mais concorrido e difícil, concentre nos 20% mais difíceis de cada tema lá na frente, quando já dominar os 80% mais fáceis de TODOS os assuntos.

Seja honesto consigo mesmo. Se acertou as questões por sorte, então não acertou. Se errou questões fáceis, revise os conceitos necessários. E siga em frente.

Alguns pontos importantes

Vocês percebram que a base do estudo que eu sugiro são as questões. Há espaço para material teórico, principalmente quando sua performance nos testes é ruim, mas ele é subsidiário. Você deve se concentrar nas questões e usar o material teórico como apoio, apenas.

Lembre-se das palavras de Bob B.: input less, output more. Mesmo quando estiver no material teórico, não leia passivamente o material. Fazer resumo pode ser bom, mas não faça enquanto lê nem faça resumos gigantes sobre cada assunto. Faça pequenos resumos de conceitos importantes com as suas próprias palavras, criando a sua própria linha de raciocínio. Depois volte ao material e veja se esqueceu algo importante.

Crie perguntas abertas para si mesmo (com base nos conceitos-chave que identificou nas questões que errou) e responda-as com o apoio do material. Ache no texto teórico a informação que você precisa saber para acertar a questão. Não se perca nas minúcias.

Você pode usar marca-textos (eu uso bastante!), mas ele não te ajuda a aprender. É apenas um “comfort object”.

Não tire um dia inteiro para estudar tudo sobre um assunto, depois outro dia para outro assunto e assim por diante. Não estude por blocos. Estude um pouco sobre vários tópicos todos os dias. Isso melhora sua concentração porque é menos chato e é mais efetivo por causa de um conceito chamado distributed practice, que vamos cobrir em outro texto.

***

Por hoje é só. Os pontos mais importantes que eu gostaria de passar são:

  • Os testes devem ser a base do seu estudo. A maioria das pessoas usa material teórico como base e testes apenas para revisão ou avaliação de performance. Use o teste como base do seu estudo.
  • Quando estudar com teoria, seja ativo. Não leia passivamente.
  • Distribua o estudo no tempo. Estude um pouquinho de vários temas em um dia, demore vários dias para terminar de estudar um tema.

Nos próximos textos vou lhes apresentar mais técnicas efetivas de estudo. Até a próxima.

Young boys are being taught by an old man sitting at a table Wellcome V0039299.jpg

***

Links das sequências:

Parte IV

Parte V

Parte VI

***

Qualquer coisa me chama: +55 34 99141 7344.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑