Como passei em medicina na federal, VI

Este texto é uma continuação de Como passei em medicina na federal.

 

Último texto da série, eu acho. Espero que tenham aproveitado e espero que ajude.

 

Confie no método e vá até o fim

Bob Bjork fala muito sobre como as técnicas mais efetivas de estudo 1. desaceleram o aprendizado em curto prazo e 2. tornam o estudo mais trabalhoso.

Ele chama essas técnicas de “desirable dificulties”: dificuldades desejáveis. 

O estudo efetivo, como já repetimos várias vezes aqui, deve ser ativo e isso é trabalhoso. Mas é a melhor forma de aprender.

Você aprende tênis majoritariamente jogando, não vendo outras pessoas jogarem (apesar de isso ter um papel marginal, que fica maior quanto mais experiente e competente você é).

Examine-se continuamente e tente garantir que você está atingindo seus objetivos, mas cuidado com o impulso de desistir das técnicas por conta da falta de resultados a curto prazo. Crie um cronograma de estudo, crie metas, acorde consigo próprio quais serão suas técnicas de estudo e coloque seu plano em ação. Depois disso, confie nele (mas mantenha sempre a dúvida). 

Aprenda a não se abalar com os pequenos recuos, pois eles não deixaram de existir. Jogue em longo prazo e ignore o ruído.

 

Revise desde já

Acho que já falei isso, mas vou repetir. Você deve começar a revisar no segundo dia de estudo (revisando o que estudou no primeiro). Nunca, nunca considere um assunto estudado e deixe de olhar para ele. Depois que você estiver muito bem, acertando quase todas as questões, você pode gastar menos tempo no determinado tópico (fazendo menos questões em número e em frequência), mas você vai continuar fazendo algumas questões periodiamente até chegar o dia da prova.

Não divida seu estudo entre “estudo” e “revisão”. A maioria das pessoas usa os primeiros sete meses de preparação para estudar e os últimos dois meses para revisar. Não faça isso. revise desde já.

 

Use flashcards

Eu não usei flashcards para passar em medicina. Não vale a pena gastar seu tempo para produzi-los. Mas se você tiver acesso a flashcards de alta qualidade (na internet ou comprando de alguém), incorpore-os ao seu estudo. 

Mas, mais uma vez, seja ativo! Não leia os flashcards, simplesmente. Use-os para se forçar a lembrar os conceitos.

Os flashcards que você acertar várias vezes seguidas podem ser colocados mais de lado e usados com menos frequência. Os flashcards que você erra muito devem ser utilizados mais frequentemente.

 

Concentre-se no que é mais importante

Eu gosto de ilustrar este ponto com uma história pessoal bem boba, mas que abriu minha mente para este conceito importantíssimo.

Quando eu tinha uns quinze anos, nas férias, decidi aprender a fazer malabarismos. Sabe? Aquela coisa de ficar equilibrando objetos no ar, que o Junior do Sandy Junior fazia na novela Estrela Guia (quem lembra?).

Malabarismo é bem legal e parece difícil e é uma habilidade legal de se ter: as crianças ficam encantadas e os adultos bêbados também. Existem muitas semelhanças entre adultos bêbados e crianças.

Então aquele dia eu decidi aprender malabarismos e eu fiquei embasbacado de descobrir que, sem técnica nenhuma, sem planejamento nenhum, você aprende a fazer o malabarismo básico com três objetos em 20 minutos. E isso é suficiente para divertir crianças.

Passar de três para quatro objetos e fazer manobras mais elaboradas demanda muito mais tempo e energia. Mas você não precisa muito disso, a não ser que queira ser artista de circo.

A lição que eu tirei do malabarismo se aplica aos estudos para concursos e praticamente todas as áreas da vida: é muito fácil aprender o básico.

Sua curva de aprendizado por esforço é gigante no começo. Aprender os detalhes e as coisas mais difíceis demanda muito tempo e energia, mas aprender o básico é fácil. Com 20 minutos de esforço, você se torna um malabarista melhor que 95% das pessoas (eu chutei esse número), mas para entrar no 1% melhor, provavelmente você terá que treinar por dias e utilizar a ajuda de um mentor.

Alguns chamam isso de Princípio de Pareto: 20% do esforço traz 80% do resultado.

Um dia falei isso a uma amiga que era trainée na InBev e ela disse que ela utiliza essa regra para acidentes na fábrica: 80% dos acidentes eram causados por 20% dos defeitos, ou algo assim.

A lição que você deve usar para seus estudos: concentre-se no básico e no que é mais importante. Não fique na neura de aprender 100% sobre determinado assunto. Isso vai gastar tempo demais e seu tempo é muito precioso. Concentre-se em aprender o que cai mais e o que é mais fácil.

Se você pegar um assunto novo, tenha como meta acertar 60-80% das questões (dependendo do quanto você precisa acertar para cumprir seu objetivo no concurso). Se acertar mais que isso, considere o assunto estudado e passe para o próximo (mas não se esqueça de revisar sempre!!!).

Depois que você estiver acertando 80% em todos os assuntos e estiver performando 80% ou mais nos simulados, aí sim você pode se concentrar nas arestas e nos rodapés.

ZC15 Dino Lampa.JPG

É isso, galera. Espero que vocês se beneficiem destas dicas.

***

Se você precisa de ajuda para estudar, pode falar comigo: +55 34 99141 7344.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑