Penso, logo escrevo

Hoje o Professor Jordan Peterson fez uma postagem interessante no seu Instagram.

Em tradução livre:

Uma das coisas que me indignam sobre as universidades é que nunca ninguém explica aos alunos por que eles devem escrever algo. […] “Por que você tem que escrever isso? Porque preciso da nota”.

Não!!! Você tem que aprender a pensar! Porque pensar faz você agir de forma efetiva no mundo. […] Se você sabe pensar, e falar, e escrever, você é absolutamente letal. Nada consegue te parar. […] É a arma mais poderosa que você pode dar a alguém.

Eu conheço muitas pessoas que foram muito bem sucedidas e as observei ao longo da minha vida e… você não quer ter uma discussão com essas pessoas — elas vão te cortar em pedaços. Não de uma forma malévola… mas se você vai defender um ponto e elas vão defender um ponto, é melhor que você tenha seu argumento bem organizado. Senão você vai parecer absolutamente estúpido.

[…] Se você consegue formular argumentos coerentes, fazer uma apresentação, falar com as pessoas, apresentar uma proposta… pessoas te dão dinheiro, te dão oportunidades, você tem influência. É para isso que a universidade serve.

***

Isso serve bastante para as humanidades, mas acredito que se aplique também a outras áreas de formação. A universidade serve para criar pensadores, intelectuais e líderes, e não apenas especialistas técnicos. E isso não é arrogância intelectual ou purismo acadêmico ou qualquer coisa do tipo, mas uma necessidade prática: a universidade é o reduto da elite pensadora de uma sociedade; portanto, espera-se que lá sejam criadas pessoas capazes de tomar as decisões mais inteligentes e bem informadas e de liderar a sociedade no caminho dessas decisões.

Para isso, o universitário deve se preocupar não apenas em formar-se tecnicamente, mas também culturalmente e humanisticamente. Na universidade, essas habilidades paralelas são em boa parte supridas por iniciativas dos próprios alunos: centros acadêmicos, associações atléticas, empresas juniores, baterias e grupos de dança, por exemplo.

Foi nesse contexto que surgiu o MED Talks, primeiramente focado no desenvolvimento da oratória e das apresentações, agora também bastante preocupado em difundir a importância de escrever bem. E, ouvi dizer, cada vez mais preocupado com a deficiência que os universitários brasileiros ainda têm em relação à língua inglesa.

Eu não acredito que as palavras tenham nenhum poder metafísico. Elas não precisam disso. As palavras são poderosas por si só. Não é por acaso que no mito cristão deus criou o universo a partir de sua voz. 

Aqueles que realmente dominam as palavras estão mais aptos a fazer ordem a partir do caos que muitas vezes é o mundo. Tanto pela boca, como pela caneta.

jordan peterson
Foto de Gage Skidmore.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑