Sobre minha falsa intelectualidade

Falsa intelectualidade e malícia

Eu escrevi alguns dias este texto chamado Minha falsa intelectualidade, que foi um dos textos mais acessados do blog nas primeiras horas após ir ao ar. No dia seguinte à sua publicação, ele tinha quatro vezes mais acesso do que o texto que eu havia publicado mais cedo no mesmo dia, que era uma comparação da pandemia de COVID-19 com a de AIDS, um texto muito mais técnico, trabalhoso e difícil de escrever. Eu gostaria de pensar que o sucesso do texto devesse ao seu título bem escolhido ou algo assim, mas dificilmente isso seria verdade. O texto foi bem acessado porque parecia ser parte de uma fofoca. Como disse uma amiga, “a gente gosta do tititi”.

O texto motivou algum burburinho. Novamente, do tipo mais rasteiro e burro. Fazer o quê? Escrever na internet abre espaço para ser mal interpretado, por erro ou por malícia.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é guillotine.jpg

Ops!

Este texto é exclusivo para assinantes.

Com apenas um trocado por mês, você tem acesso irrestrito ao nosso conteúdo mais inteligente, ácido e polêmico.

E o mais importante: você apoia o blog.

Deixe uma resposta

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑