discorrendo riscos #16

Ouça o poema na voz de Raiana. Perigo de arrepiar.

a paciência urge

havia uma
hemorragia
na minha
poesia interna,
que jorrava
e escorria
por dentro e por
todas as artérias.
de restos de verdades
a sílabas recicláveis.
do amor, do tesão
e daquela incomensurável dor
encravada nas curvas
dos neurônios,
onde batalham anjos
e meus demônios,
que controlam meus níveis
hormonais, mundanos e
astrais,
entre conceitos anormais
sobre cores e inclinações,
universalmente relativas,
de quem gosta de meninos
e quais gostam de meninas.
como se gostar dos dois
fosse de encontro a leis divinas.

pra nos contarem depois
que já se foi o tempo dos homens,
e que chegamos nos anos
não apenas das mulheres,
mas dos humanos.

animalesca psicodelia
que nos faz natureza,
que nos torna fantasia,
onde as culpas são
de quem causou o dano,
não importando, então,
quem levou a morder o fruto
por engano.

no fim de tudo,
quando a morte trancar os mundos,
acho que lembrarei mais disso:
não importa o que se é,
mas o que se fez e como foi feito.
entre o caminho de abrir o surgir
e fechar o sumiço com jeito.

havia poesia
na minha hemorragia
e ainda assim era sangue,
como qualquer outro é:
vermelho, salgado e pintado
de ferro e uns pedaços de fé.

Goiás, Brasil (2018)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑