A cocaína nos ensina qual é o sentido da vida

O alemão e o judeu

No início de sua obra prima Em busca de sentido, o judeu vienense Viktor Frankl atribui ao filósofo alemão Nietzsche a frase: wer ein Warum zu leben hat, erträgt fast jedes Wie, que significa algo como “aquele que tem um porquê para viver pode aguentar quase qualquer como”. A frase original de Nietzsche, que tem o mesmo sentido, aparece no livro O crepúsculo dos ídolos, de 1889.

A ideia é que a pessoa que tem um motivo forte o suficiente para viver consegue sobreviver mesmo em condições terríveis — e não fui eu quem disse isso, foi Viktor Frankl, sobrevivente do Holocausto que perdeu a família inteira nos campos de concentração. Se tem alguém que sabe sobre viver em condições terríveis, ele sabe.

Viktor Frankl
O psiquiatra Viktor Frankl.

Parece que ter uma razão última e fundamental para existir realmente é um processo cognitivo capaz de motivar sobremaneira os seres humanos. Tanto é que a “busca por sentido” tornou-se até uma forma de terapia, nas mãos de Frankl.

Mas o que é que a cocaína tem a ver com o sentido da vida

A cocaína é uma das drogas de abuso de efeito reforçador positivo mais forte entre mamíferos. Alguns animais de laboratório chegam a morrer de fome porque deixam de comer para consumir a droga. Considerando o poder notório que ela tem de motivar seres humanos, o entendimento da psicofarmacologia dessa substância pode gerar insights interessantes sobre aquilo que os seres humanos “verdadeiramente” valorizam na vida.

A psicofarmacologia da cocaína

A principal ação da cocaína no cérebro é a inibição dos transportadores de dopamina. Os transportadores de dopamina também são conhecidos como “bombas de recaptação”. Sua função é tirar cocaína da fenda sináptica e trazê-la de volta para dentro do neurônio. Esse trabalho diminui a atividade dopaminérgica, pois o neurotransmissor só produz seus efeitos, via de regra, quando se liga a um receptor — e para isso ela deve estar na fenda sináptica, que é onde o milagre da neurotransmissão ocorre.

Sinapse - O que é, onde, como e por que acontece?
Representação de uma fenda sináptica. Os transportadores não estão representados, mas eles seriam estruturas transmembranares no neuroônio pré-sináptico. Sua função é “recaptar” moléculas de dopamina da fenda sináptica de volta para dentro do neurônio pré-sináptico, onde elas são estocadas para serem utilizadas novamente posteriormente.

Ou seja, a cocaína potencializa a ação dopaminérgica no cérebro. Isso ocorre em vários locais, porque há várias vias dopaminérgicas diferentes, com funções diferentes, influenciando processos mentais diferentes, incluindo inteligência, psicose, movimento e até lactação.

As quatro vias dopaminérgicas. (a) via nigroestriatal, (b) via... |  Download Scientific Diagram
As principais vias dopaminérgicas do cérebro: a. nigroestriatal, que participa da função motora; b. mesolímbica, envolvida nos sintomas positivos da esquizofrenia e na euforia das drogas de abuso; c. mesocortical, envolvida nas funções cognitivas; d. tuberoinfundibular, envolvida no controle da lactação.

Hoje, vamos focar na via mais icônica: a mesolímbica. A potencialização da atividade dopaminérgica na via mesolímbica é considerada a base neurobiológica da euforia e do efeito reforçador de todas as drogas de abuso amadas pelo ser humano (e por outros animais). É o “aumento de dopamina” no núcleo accumbens, estação final da via mesolímbica, que faz as drogas serem prazerosas e viciantes.

O hormônio do prazer

Popularmente, a dopamina é conhecida como um dos “hormônios do prazer”. De fato, até a década de 1990 o consenso científico era que a dopamina mediava a sensação de “gostar” de algo. Hoje em dia, essa noção mudou. Atualmente, a dopamina é mais entendida como responsável pelo “querer” do que pelo “gostar” — e você deve saber que nós podemos muito bem desejar muito coisas (ou pessoas) das quais não necessariamente gostamos.

Ou seja, a dopamina mesolímbica não gera prazer hedônico. Ela apenas nos motiva a buscar mais sensações positivas e sinaliza aqueles comportamentos que nos aproximam das recompensas. O que a cocaína faz é potencializar esse poder motivacional. A dopamina nos faz querer com mais intensidade tudo que queremos: seja comida, água, sexo, dinheiro… ou até cocaína.

Parece banal, mas a mudança de paradigma é importante: a dopamina não sinaliza a vitória em si. Ela sinaliza o caminho certo.  

O sentido da vida

Em geral, as pessoas tendem a associar o “sentido da vida” à felicidade, e a felicidade é mais ou menos entendida como um estado perene e razoavelmente constante de bem estar. Este é o “destino” que grande parte de nós busca: ser feliz, chegar lá, sentir o gosto da vitória, experimentar o doce do prazer. 

Mas a cocaína está aí para nos mostrar que estamos errados. E nós não a podemos ignorar, pois nós sabemos como ela é poderosa. Não importa o quão bonita seja sua filosofia, ela nunca será real e inegável como os efeitos sublimes e devastadores da cocaína são.

E o mecanismo pelo qual a cocaína gera a intensa euforia característica de sua intoxicação mostra que nossa grande motivação para viver é em grande parte resultado da busca pelas recompensas, e não pela posse delas em si. 

Nós gostamos de subir escadas, não de admirar a vista do topo. Nós gostamos de correr, não de cruzar a linha de chegada. O fim da estrada é apenas um limite arbitrário que impomos a nós mesmos para que não morramos famintos enquanto buscamos outra dose de dopamina mesolímbica.

A vida não serve para ser feliz.

No fim, a estrada é a recompensa. E é por isso que a corrida de ratos nunca vai acabar.

O que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑