Por que o comunismo não é tão odiado quanto o nazismo?

Essa pergunta me lembra o segundo filme do Senhor dos Anéis, quando Legolas e Gimli estão competindo para saber quem matou mais.

Não é assim que nazismo e comunismo funcionam.

O que o nazismo queria era um imenso Lebensraum (o espaço necessário para alocar seus residentes) e separar seus cidadãos de “raça superior” dos demais, mas administrando a porra toda com seus parceiros Itália e Japão:

O comunismo é um conceito tão pouco descrito por Marx, que ninguém sabe como seria ao certo. Seria sim um mundo sem fronteiras, sem classes sociais, sem dinheiro, sem estado em que todos contribuiriam para a sociedade com a melhor de suas habilidades. Tendo como objetivo o bem estar de todos e o avanço científico. Para chegar lá seria necessário muitos anos de socialismo no mundo inteiro. A crítica de Marx em relação ao Capital é no sentido de transicionar de um regime capitalista para um regime socialista.

Quando Stalin declarou que havia implementado o primeiro estágio do comunismo, ele estava falando asneiras. Ele era um ditador que chegou ao poder através de uma revolução socialista organizada por Lênin e seu futuro antagonista, Leon Trotsky. Ele era muito bom em aterrorizar e matar seus adversários políticos. No aspecto econômico, ele pavimentou o caminho para a restauração do capitalismo que iria ocorrer algumas décadas após sua morte.

Os outros grandes ditadores responsáveis por muitas mortes que chegaram ao poder através de revolução popular, Mao Tsé Tung e Pol Pot, também não ligavam muito para marxismo, assim como Stálin. Todos falharam completamente em compreender as necessidades do trabalhador do campo e instauraram modelos agrários que iriam falhar miseravelmente causando a morte de milhões de pessoas por falta de alimento. Por isso que movimentos populares do campo como o MST, o MPA (Movimento dos Pequenos Agricultores) e MBA (Movimento dos Atingidos por Barragens) são tão importantes para todas as organizações de esquerda do Brasil, desde os anarquistas até o PT.

Mas e os milhões de nativos pré-colombianos mortos devido aos espanhóis? E os povos que habitavam a américa do norte massacrados nas mãos dos colonos? E os negros literalmente transformados em bens e tratados como tal. Devemos colocar o Mercantilismo nessa briga de mais mortes também?

E as mortes diretas e indiretas causadas pela intervenção dos EUA no Oriente Médio, Norte da África e Ásia? E os golpes apoiados por eles na América Latina na segunda metade do século passado?

A verdade é que o Mercantilismo, o Capitalismo, o Comunismo e o Nazismo em si não matam ninguém. O que mata é um estado onde não há participação popular.

O Mercantilismo foi ditado por reis e demais nobres que queriam que seus estados se dessem bem mesmo que isso causasse danos em outras nações.

A democracia capitalista é essa pseudo-sensação de estar mandando em alguma coisa, quando na verdade quem detém poder econômico é quem realmente manda. Se alguém fizer algo que irrita os ricos, a democracia acaba. Como foi o caso de Salvador Allende e João Goulart.

O comunismo nunca foi realidade. Fidel Castro, Pol Pot, Mao Tsé Tung e Kim Il-sung foram bem sucedidos em organizar as massas e expropriar as elites. Mas não em implementar os comitês operários e delegar poder para o povo, assim como foram os sovietes na Rússia. Por isso os socialistas sensatos que você encontrar por aí vão falar que só houve socialismo de fato de 1922 a 1924 aproximadamente, quando os Sovietes (conselhos dos trabalhadores) realmente mandavam na União Soviética, e não Stálin.

Agora o nazi-fascismo é assassino em sua essência:

O que essa imagem significa? Se você está perto do machado, você contribui para a força da unidade. Se você está fora, você é apenas um graveto, e o machado te corta. Quem fazia oposição a Hitler durante o nazismo, morria. Simples assim. Foi o que aconteceu com a irmã de Erich Maria Remarque, o autor de Nada de Novo no Front. Elfriede Scholz foi presa e decapitada em 1943 por dizer que a guerra estava perdida para os nazistas.

No caso de Elfriede ela ainda tinha a possibilidade de não falar nada. Mas no caso dos judeus, eles não tinham escolha. Para os nazistas, o destino de todos era morrer na câmara de gás. Ou sim ou sim.

Depois o Brasil implementaria sua própria versão desse regime de governo fascista. Quem ousasse se manifestar contra a Ditadura Militar, era brutalmente torturado e/ou morto.

***

Versão curta:

Regimes sanguinários são resultados de um governo longe da população que o mantém, pautado em centralizar o poder nos ricos e poderosos (em uma ditadura de direita) ou no partido e seu chefe de estado (em uma ditadura de esquerda). Por isso que estados que oferecem muita participação popular, como os países nórdicos e do oeste europeu, tendem a ser mais pacifistas do que outros em que as camadas mais baixas não participam das decisões.

comunismo

Publicado originalmente aqui.

Um comentário em “Por que o comunismo não é tão odiado quanto o nazismo?

Adicione o seu

O que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑