Minhas crônicas mundanas

Eu comecei a escrever de forma autônoma, por vontade de escrever mesmo, em 2011. Escrevi alguns textos curtos, como se fossem redações de escola. Tudo muito mal, claro, mas o interesse pela escrita nasceu ali.

Em 2012 e 2013 eu escrevia muitos poemas e crônicas. Quase todos os poemas que escrevi nessa época são absolutamente péssimos, mas algumas crônicas se salvam. Eu realmente não sou uma pessoa de (escrever) poemas.

Quando lancei o blog original, em quatro de outubro de 2017, eu não tinha nenhum texto pronto para ser publicado. Tinha e tenho vários textos prontos, claro, mas todos bem ruins. O único que eu tinha e gostava era Pequenos gestos de bravura, uma crônica escrita em fevereiro de 2015.

Pequenos gestos de bravura foi meu primeiro texto próprio do qual eu realmente gostei. Gosto dela até hoje, apesar de sempre querer reescrever algo quando a leio. Acho que é normal.

Essa crônica fazia parte de um projeto pessoal que apelidei Crônicas e contos mundanos, que era uma porção de textos de ficção asquerosos, nojentos, pretensamente transgressivos. Minha maior inspiração era (e é) Chuck Palahniuk, autor de Sobrevivente e do Clube da Luta.

A maioria desses textos era dessa época, principalmente 2012 e 2013, alguns em 2014. Pequenos gestos, no início de 2015, foi o último a ser escrito, eu acho. Mas a maioria dos textos nunca foi realmente finalizada: ou foram largados pela metade ou foram finalizados pobremente, deixados sem edição.

É desse projeto que veio O Alienista, minha segunda ficção publicada. Ela está na mesma veia das outras crônicas: suja, nojenta, asquerosa. Horrível de se ler.

Ultimamente, estou cada vez com mais vontade de escrever ficção, e vou tentar fazer algo. Escritores de verdade escrevem ficção. Escrever textos de autoajuda é um pouco otário.

Para começar, fui revisitar minhas crônicas mundanas, e achei muita coisa legal. Os temas são extremamente baixos, passando por pedofilia, estupro e outras perversões. Mas eu achei algumas ideias boas. O grande problema é que são textos tecnicamente mal escritos. Não irremediavelmente mal escritos, mas ainda mal escritos, necessitados de uma boa edição.

Aqui, vou mostrar alguns dos meus trechos preferidos dessas crônicas, que pretendo editar e publicar posteriormente. Se for facilmente impressionável, leia de olhos fechados. Se puderem, comentem comigo depois o que acharam.

parental advisory

Ops! Acesso restrito!

O final deste texto é de acesso restrito aos assinantes do blog.

Assinantes são leitores que acreditam no valor do blog e contribuem para seu crescimento doando uma pequena quantia por mês. Em contrapartida, eles têm acesso a nosso conteúdo mais inteligente, ácido e polêmico.

Se você gosta do blog, considere ser um assinante. É só clicar no botão colorido aqui embaixo.Se quiser ler este texto (ou outro material restrito) e não puder assinar o blog, mande um e-mail para nicolasteixeiracabral@gmail.com dizendo seu nome e o texto que deseja ler, e eu vou enviar uma cópia para você. Sem questionamentos, sem segundas intenções, quantas vezes forem necessárias.

O que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑