Meus textos publicados no Update or Die!

Em 2020, além de passar por uma pandemia viral mundial e formar na faculdade, eu conheci o blog Update or Die!, por indicação do Biloca. Mais que leitor, tornei-me um autor do site, com 15 (ou 16) textos publicados na plataforma de agosto para cá.

Recomendo todos eles.

1. Você é mau

Um dos meus melhores textos. Sobre vieses cognitivos que nos dominam sem que percebamos, sobre repetidos erros de lógica e sobre a potencial maldade que habita cada coração humano.

Negue o tanto que quiser. Convença as paredes do quarto e durma tranquilo. Mas não se engane: se você estivesse na Alemanha do Terceiro Reich, você seria um assassino de judeus sujo e nojento, como todos que estiveram lá foram.

— Congratulations. You’re one step closer to hitting the bottom.

2. Medicina, tatuagem, dor e arrependimento

Sobre escolhas acadêmicas e profissionais.

Você não sabe o que você quer (lembra os vieses cognitivos?). Mesmo se você soubesse do que gosta, esse curso que você está pensando em fazer não é nada disso que você está pensando.

Não adianta perder tempo refletindo sobre sua essência, seu “verdadeiro eu”, seus pontos positivos e negativos etc. Não adianta tentar fazer uma escolha racional para garantir sua felicidade em longo prazo, por que você não vai conseguir.

Mas não tem problema. Afinal, a vida não serve para ser feliz.

3. De onde vêm os nomes dos países?

Por que existem os Países Baixos e também a Holanda? Por que alguns falam Doitelândia, outros falam Germânia e outros falam Alemanha?

Um texto antigo e simpático sobre linguística, assunto sobre o qual não escrevo há algum tempo, abordando algumas dessas questões.

4. A seleção natural dos memes

A palavra “meme”, hoje já idosa, surgiu da pena de um hábil cientista-escritor britânico chamado Richard Dawkins, um dos grandes intelectuais desta geração.

E não tinha (quase) nada a ver com internet, WhatsApp e gatinhos fofinhos.

5. Somos todos maus-caracteres na cama

Não é sobre práticas sexuais extravagantes. É sobre como cultivar hábitos saudáveis adaptando seu ambiente para superar seu próprio mau-caratismo.

Ou seja, é um texto de autoajuda.

6. Dezesseis fatos sobre a depressão

A depressão é uma das doenças psiquiátricas mais prevalentes no mundo inteiro e uma das doenças que mais causam sofrimento humano no planeta.

Não é uma afirmação genérica. Nós estudamos a carga mórbida das doenças pelo mundo e a depressão está sempre entre as dez doenças que mais atingem negativamente os seres humanos.

7. Vinte fatos (e vários links) sobre a esquizofrenia

Se a depressão é uma das doenças mais mórbidas para a saúde coletiva (já que é muitíssimo prevalente), a esquizofrenia certamente é uma das doenças mais horrorosas a nível individual. Felizmente, a prevalência está bem abaixo da prevalência de outros transtornos psiquiátricos.

Vinte fatos sobre essa doença absolutamente aterrorizante.

8. Catorze fatos sobre o transtorno de ansiedade generalizada

A quase onipresente TAG, outra doença de alta morbidade e alta prevalência. Quem não conhece alguém com diagnóstico de TAG, não precisa ler.

Todos terão que ler. Se você não conhece alguém com esse diagnóstico, é porque a pessoa não quis contar para você. Fofoqueiro.

9. Como surgiu o “pas” do francês

Em português, não. Em inglês, no. Em alemão, ne. Em espanhol, no. Em italiano, non.

Em francês, pas (???).

A origem da simpática partícula negativa francesa que destoa de todo o resto do Ocidente.

10. O HIV teve origem nos chimpanzés?

Spoiler: a resposta é sim.

Das florestas de Camarões para as prostitutas de Kinshasa, para as metrópoles dos Estados Unidos, para o resto do mundo. A história do vírus mais famoso do planeta (será?), muito antes da epidemia de 1981.

11. Nossas escolhas já foram feitas

Este texto faz parte de uma série de posts sobre epistemologia, determinismo causal, livre arbítrio, psicologia comportamental e um pouquinho de neurobiologia. 

Os outros textos são estes:

A alucinação fisiológica dos olhos: como nossos sentidos nos enganam e distorcem a “realidade”.

Determinismo causal e livre arbítrio: nosso comportamento segue uma receita e não há espaço para acrescentar nada nela; não há livre arbítrio, mesmo em um mundo não-determinista.

Nossa ilusão de controle: assim como nossos sentidos nos enganam, nossos pensamentos nos enganam e nos dão a sensação de que temos nosso comportamento sob controle; não o temos.

Ideias como ferramentas para agir no mundo: algumas consequências práticas do determinismo causal e uma sugestão para superar o niilismo que o acompanha.

Escolhas e crimes, e compaixão: o mundo é determinista e nós não temos escolha, mas nós permanecemos moralmente responsáveis pelos nossos atos.

12. Como surgiu o “olhar 43”?

Um pouco sobre a icônica música do RPM e o processo criativo de Paulo Ricardo, compositor da letra e criador dessa famosa expressão, ainda hoje lugar-comum na boca do brasileiro.

13. Determinismo causal e livre arbítrio

Basicamente, o mundo segue regras: tudo que acontece decorre do que aconteceu antes e tudo que acontecerá decorrerá do que acontece agora. O universo é regido por leis naturais que não permitem exceção. Tudo que acontece, acontece por força dessas leis.

Não há espaço para escolhas. Não existe livre arbítrio.

14. Cazuza, epidemias, e essa gente careta e covarde

Sobre a epidemia de AIDS — depois que o HIV saiu da África e se espalhou pelo mundo inteiro.

Inexplicavelmente retirado do site após algumas semanas. O texto seguinte também foi retirado. Eu acho que eu publiquei outro que também foi retirado, mas não tenho certeza.

15. Como surgem os palavrões?

Profanidades não surgem da noite para o dia. Não é tarefa fácil ser um conjunto de letras ou sons que agride por si mesmo (e não pelo significado por trás dele).

Um pouco sobre o processo linguístico que gera nossos queridos palavrões — sem os quais não sobreviveríamos ao trânsito e ao futebol. Retirado do site porque tinha palavrão pra car***o.

update or die

O que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑