Cocaína, dinheiro e felicidade

O que você quer na vida, além de cocaína, dinheiro e felicidade? Eu aposto que poucas coisas. Afinal, poucas coisas na vida são melhores do que sexo, e cocaína, dinheiro e felicidade são três dessas coisas.

Felicidade

A felicidade é uma das maiores taras que as pessoas da minha geração têm. Acreditamos que o grande objetivo da vida é ser feliz

Todas as nossas pequenas decisões são remoídas para garantir que escolhamos algo que maximize a felicidade. Queremos conforto material, claro, mas apenas o bastante para garantir a felicidade. Queremos fazer faculdade, mas nada que envolva renunciar à felicidade. Se queremos televisões de 500 canais e o nome de um cara na nossa cueca, é apenas em nome da felicidade.

Há quem pense que dinheiro não compra felicidade. E é verdade. Dinheiro e bem estar andam juntos enquanto o dinheiro compra muito e custa pouco. Mas depois que você chega em certo nível, você precisa se esforçar muito mais pelo dinheiro, e ele faz uma diferença muito menor no seu estilo de vida.

Mas, mesmo assim, nós corremos atrás dele. Porque dinheiro não compra felicidade, mas nós preferimos ter dinheiro a ser feliz.

É melhor ser rico triste que viver pobre sorrindo.

cocaína dinheiro e felicidade

Opa! Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assinantes são leitores que contribuem para a sobrevivência e o crescimento do blog. Em contrapartida, eles têm acesso a meu conteúdo mais inteligente, ácido e polêmico. 

Inclusive este texto, que é um dos melhores dos últimos tempos, misturando neurobiologia com conhecimento humanístico (minha especialidade).

Se não puder, tudo bem. Só de comentar com os amigos e compartilhar nas redes sociais, já estará ajudando demais. E você continua tendo acesso à maioria dos meus textos.

Mas se você gosta do que escrevo, se meu conteúdo tem valor para você e se não for fazer falta, considere ser um assinante do blog.Você vai me ajudar muito e eu serei muito grato.

2 comentários em “Cocaína, dinheiro e felicidade

Adicione o seu

    1. Explicando, então. Eu costumo dizer que um dos princípios fundamentais do cristianismo é o de que todo mundo é filha da p***. A ideia de que existe uma natureza inerente a cada ser humano, que faz com que a gente prefira cocaína à própria alimentação e reprodução (e coloque o bem estar do individuo de uma tribo diferente da nossa em último lugar na nossa lista de prioridades) é um terreno comum no cristianismo. O período que encerra o texto, retomando a necessidade de uma luta constante contra essa personalidade dependente química, me lembrou muito algumas falas do apóstolo Paulo, como sobre o bem que ele quer fazer, esse não faz, mas o mal que não deseja, acaba por realizar (Rm 7), ou sobre a ideia de que ele esmurraria o próprio corpo para reduzi-lo à escravidão, para que não seja reprovado por Deus (1 Co 9:27), dada a tendência de escolhermos quase sempre pela decisão que possui a qualidade de experiência mais apetecível, e não a mais virtuosa. A diferença essencial das filosofias do texto e da religião é a que a sua proposta, até onde entendi, é alcançar a melhor versão de si, através de uma comparação entre os vários momentos do próprio desempenho, e também desses com o desempenho alheio. A ideia religiosa é que existe uma direção a ser seguida, tornando a progressão algo menos modular e mais vetorial. Eu gosto demais da ideia do cristianismo de inviabilidade de alcance do destino, também, já que a santificação é algo que só seria alcançado no fim dos tempos. Torna o progresso constante como alvo, e não a chegada. A ideia não é ficar bom, é melhorar, porque bom mesmo, só o Pai (Mc 10:18). Isso é uma coisa fantástica da psicologia do cristianismo, te dá um alvo sabidamente inalcançável, então torna a aceitação da frustração algo necessário, que deve ser buscado com o máximo de esforço individual, focado não só em melhorar, mas em saber que se a gente for deixado na banguela, é só ladeira abaixo (1 Co 10:12). É basicamente se tornar a melhor versão de si possível, já que o que tá em questão não é somente sucesso, mas um padrão mais do que áureo de virtude, divino até. Talvez por isso tanto caboclo encapetado usando esse método como coaching ou como promessa de riqueza, a ideia é muito parecida, a direção e/ou o sentido são bem diferentes .

      Curtir

O que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑